Comitê discute políticas públicas para moradores de rua

terça-feira, 3 de abril de 2018
Resultado de imagem para moradores de rua em Maringá
Moradores de ruas sempre foram discriminados.
Na próxima sexta, 6, às 8h30, na Secretaria de Assistência Social e Cidadania (Sasc), o Comitê Intersetorial da Política Municipal para a População em Situação de Rua Cláudio Lopes (Ciamp Rua) se reunirá para discutir sugestões e propostas para a adoção de políticas públicas para moradores em situação de rua. O comitê trabalha junto ao Ministério Público para a superação e enfrentamento do problema.

Além do comitê, a Sasc também possui rede de atendimento para essas pessoas. O atendimento vai desde a abordagem social na rua até o portal da inclusão, que encaminha participantes para o mercado de trabalho. O processo envolve profissionais treinados e locais específicos para encaminhamento das pessoas. A Secretaria de Saúde também faz parte da rede de atendimento.

Abordagem social

A abordagem é o primeiro passo de todo o processo de enfrentamento a condição de moradores em situação de rua. As equipes têm como objetivo criar vínculos de confiança para convencer as pessoas a sair da situação de rua, e não retirá-las sem consentimento. A ação não é coercitiva, é um diálogo com a pessoa.

Quando há aceitação de sair da rua, os moradores são encaminhados para lugares adequados, podendo ser o Centro Pop, o Albergue Santa Luiza de Marillac, o Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) e, dependendo da situação, hospitais.

O coordenador da abordagem social e do Centro Pop, Ricardo de Brito Silva, explica que muitos moradores não querem sair das ruas. “A pessoa que está na rua constrói uma história e tem amarras que a impede de querer sair”, observa.

A abordagem funciona das 8 às 23 horas e em esquema de plantão das 23 às 8 horas. Muitas pessoas em situação de rua também são usuárias de drogas. Neste caso, o atendimento também é feito, com encaminhamento à Secretaria de Saúde, pronto atendimento de emergência e aos Centros de Atenção Psicossocial.

Centro pop

É um abrigo que funciona das 8 às 17 horas, de segunda a sexta, para que as pessoas em situação de rua tenham apoio, além de incentivo para sair das ruas. Cerca de 60 pessoas passam diariamente no Centro Pop. É ofertado banho, alimentação e atividades em grupo e individual.

Àqueles que precisam tirar segunda via de documentos ou fazer currículos, por exemplo, também são auxiliados. É feito um cadastro e uma análise com a pessoa para procurar melhores maneiras de superar a situação de rua.

O coordenador do Centro Pop, Ricardo de Brito Silva, esclarece que sair das ruas é um processo longo. “O Centro Pop pode ser o único lugar deles. Tem alguns que vêm todos os dias e tem gente que não aparece mais. Tentamos enfrentar essa situação de rua com paciência”, diz.

Albergue Santa Luiza de Marillac

São ofertadas 50 vagas, em parceria com a Prefeitura de Maringá, para moradores em situação de rua. O prazo para ficar na casa de passagem é de 1 a 90 dias, com almoço e jantar. As vagas são distribuídas a partir de uma avaliação da equipe do Albergue.

Durante o período que a pessoa fica na entidade é feito acompanhamento e oferecido a rede de serviços, dependendo da demanda de cada um, como documentação, currículo, encaminhamento para vagas de emprego, entre outros.

Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) 

Durante a abordagem social, quando há pessoas com problemas relacionados ao álcool, drogas ou psicológicos, a equipe da Sasc os encaminha para o CAPS AD, da Secretaria da Saúde. Somente aqueles que aceitam, recebem o tratamento, que pode ser realizado diariamente ou mensalmente. Em determinados casos, pode ser feito o internamento do paciente.

Existem quatro Centros de Atenção Psicossocial. O CAPS AD (Álcool e outras Drogas) é para adultos que apresentam intenso sofrimento psíquico decorrente do uso de crack, álcool, tabaco, fármacos e outras drogas. Cerca de 60 pessoas são atendidos por dia no local.

Além deste, o CAPS II Canção (das 7h às 18h, de segunda a sexta) e o CAPS III (24 horas, todos os dias) atendem pessoas com problemas mentais graves ou persistentes. O CAPS III possui 12 vagas noturnas. E, por fim, o CAPS I Infanto Juvenil que atende crianças e adolescentes. Os três atendem, por dia, cerca de 60 pessoas cada um. Normalmente, os encaminhados da Sasc são maiores de 18 anos.

Portal da Inclusão

O portal, último processo da rede de atendimento, funciona como abrigo fixo para pessoas do sexo masculino, maiores de 18 anos, que vivem em situação de rua e estão em condição de risco ou vulnerabilidade social. O objetivo é garantir proteção integral e proporcionar apoio para a reconstrução de projetos de vida e os vínculos com a comunidade e a família.

O portal não busca somente a retirada de quem está em situação de rua, e sim a inclusão do usuário no meio social e no mercado de trabalho, de forma que se torne independente para uma vida digna e cidadã.

Atualmente o portal dispõe de 10 vagas rotativas, oferecendo refeições diárias, camas individuais, sala de estar com TV, livros e jogos pedagógicos, itens de higiene pessoal, benefícios de corte de cabelo, confecção de fotografias para documentos, vale-transporte, confecção de óculos e aquisição de medicamentos não ofertados pelo SUS, vestimentas e calçados.

Também são encaminhamentos para a Educação de Jovens e Adultos (EJA), cursos profissionalizantes, às instituições privadas e do terceiro setor, agências de emprego, além de terem acompanhamento familiar por meio de visitas e contatos telefônicos, envio de currículos, orientações sobre entrevistas de emprego e comportamento no ambiente de trabalho.

A Sasc pretende dobrar o número de vagas em novo local de atendimento. O espaço maior e mais apropriado espera instalação de equipamentos, ainda em fase de licitação.

Comitê 

O Comitê Intersetorial da Política Municipal para a População em Situação de Rua Cláudio Lopes (Ciamp Rua) busca elaborar e implantar políticas públicas em Maringá para pessoas em situação de rua. O nome do comitê faz homenagem ao maringaense Cláudio Lopes, morador de rua e cadeirante, que morreu vítima de incêndio em 2017.

Maringá tem aproximadamente 300 moradores de rua. Destes, 93% querem sair das ruas e 7% querem continuar, diz pesquisa feita pelo Observatório das Metrópoles, ligado à Universidade Estadual de Maringá (UEM).

O objetivo do Comitê e de toda rede de atendimento da Sasc e da Saúde é enfrentar a situação de rua e atender as pessoas que necessitam de oportunidade e apoio.

Operação inverno 2018

A Sasc organiza a Operação Inverno, onde terá articulação da rede de serviços para atender os moradores em situação de rua, com agasalhos e cobertores nos dias mais frios do ano.

Para quem ligar? 

O cidadão que encontrar uma pessoa em vulnerabilidade social em situação de rua deve ligar, em qualquer horário do dia e da noite, para o serviço de abordagem social pelo telefone (44) 9 9103-5661.

Saiba mais 

Centro Pop
Rua Fernão Dias, 840 A
(44) 3901-2203

Albergue Santa Luiza de Marillac
Rua Fernão Dias, 840
(44) 3224-1673

Centro de Atenção Psicossocial (CAPS)
CAPS AD
Rua João José Queiroz, S/N. Jardim Santa Felicidade
(44) 3309-4503

CAPS Infanto Juvenil
Rua João José Queiroz - Jardim Santa Felicidade
(44) 3309-4498

CAPS III
Rua João José Queiroz - Jardim Santa Felicidade
(44) 3309-4493

CAPS Canção
Rua Santa Joaquina de Vedruna, 1165 - Zona 05
(44) 3901-1139/ 3901-1031/ 3901-7006

Portal da Inclusão
AV. Humaitá, nº 67, Zona-5
(44) 3221-6400

Secretaria de Assistência Social e Cidadania (Sasc)
(44) 3221-6405

Nenhum comentário

Postar um comentário

 
Copyright © 2016 todos os direitos reservados a Desenvolvido por Jonas Gonçalves.