Comitê discute políticas públicas para moradores de rua

Resultado de imagem para moradores de rua em Maringá
Moradores de ruas sempre foram discriminados.
Na próxima sexta, 6, às 8h30, na Secretaria de Assistência Social e Cidadania (Sasc), o Comitê Intersetorial da Política Municipal para a População em Situação de Rua Cláudio Lopes (Ciamp Rua) se reunirá para discutir sugestões e propostas para a adoção de políticas públicas para moradores em situação de rua. O comitê trabalha junto ao Ministério Público para a superação e enfrentamento do problema.

Além do comitê, a Sasc também possui rede de atendimento para essas pessoas. O atendimento vai desde a abordagem social na rua até o portal da inclusão, que encaminha participantes para o mercado de trabalho. O processo envolve profissionais treinados e locais específicos para encaminhamento das pessoas. A Secretaria de Saúde também faz parte da rede de atendimento.

Abordagem social

A abordagem é o primeiro passo de todo o processo de enfrentamento a condição de moradores em situação de rua. As equipes têm como objetivo criar vínculos de confiança para convencer as pessoas a sair da situação de rua, e não retirá-las sem consentimento. A ação não é coercitiva, é um diálogo com a pessoa.

Quando há aceitação de sair da rua, os moradores são encaminhados para lugares adequados, podendo ser o Centro Pop, o Albergue Santa Luiza de Marillac, o Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) e, dependendo da situação, hospitais.

O coordenador da abordagem social e do Centro Pop, Ricardo de Brito Silva, explica que muitos moradores não querem sair das ruas. “A pessoa que está na rua constrói uma história e tem amarras que a impede de querer sair”, observa.

A abordagem funciona das 8 às 23 horas e em esquema de plantão das 23 às 8 horas. Muitas pessoas em situação de rua também são usuárias de drogas. Neste caso, o atendimento também é feito, com encaminhamento à Secretaria de Saúde, pronto atendimento de emergência e aos Centros de Atenção Psicossocial.

Centro pop

É um abrigo que funciona das 8 às 17 horas, de segunda a sexta, para que as pessoas em situação de rua tenham apoio, além de incentivo para sair das ruas. Cerca de 60 pessoas passam diariamente no Centro Pop. É ofertado banho, alimentação e atividades em grupo e individual.

Àqueles que precisam tirar segunda via de documentos ou fazer currículos, por exemplo, também são auxiliados. É feito um cadastro e uma análise com a pessoa para procurar melhores maneiras de superar a situação de rua.

O coordenador do Centro Pop, Ricardo de Brito Silva, esclarece que sair das ruas é um processo longo. “O Centro Pop pode ser o único lugar deles. Tem alguns que vêm todos os dias e tem gente que não aparece mais. Tentamos enfrentar essa situação de rua com paciência”, diz.

Albergue Santa Luiza de Marillac

São ofertadas 50 vagas, em parceria com a Prefeitura de Maringá, para moradores em situação de rua. O prazo para ficar na casa de passagem é de 1 a 90 dias, com almoço e jantar. As vagas são distribuídas a partir de uma avaliação da equipe do Albergue.

Durante o período que a pessoa fica na entidade é feito acompanhamento e oferecido a rede de serviços, dependendo da demanda de cada um, como documentação, currículo, encaminhamento para vagas de emprego, entre outros.

Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) 

Durante a abordagem social, quando há pessoas com problemas relacionados ao álcool, drogas ou psicológicos, a equipe da Sasc os encaminha para o CAPS AD, da Secretaria da Saúde. Somente aqueles que aceitam, recebem o tratamento, que pode ser realizado diariamente ou mensalmente. Em determinados casos, pode ser feito o internamento do paciente.

Existem quatro Centros de Atenção Psicossocial. O CAPS AD (Álcool e outras Drogas) é para adultos que apresentam intenso sofrimento psíquico decorrente do uso de crack, álcool, tabaco, fármacos e outras drogas. Cerca de 60 pessoas são atendidos por dia no local.

Além deste, o CAPS II Canção (das 7h às 18h, de segunda a sexta) e o CAPS III (24 horas, todos os dias) atendem pessoas com problemas mentais graves ou persistentes. O CAPS III possui 12 vagas noturnas. E, por fim, o CAPS I Infanto Juvenil que atende crianças e adolescentes. Os três atendem, por dia, cerca de 60 pessoas cada um. Normalmente, os encaminhados da Sasc são maiores de 18 anos.

Portal da Inclusão

O portal, último processo da rede de atendimento, funciona como abrigo fixo para pessoas do sexo masculino, maiores de 18 anos, que vivem em situação de rua e estão em condição de risco ou vulnerabilidade social. O objetivo é garantir proteção integral e proporcionar apoio para a reconstrução de projetos de vida e os vínculos com a comunidade e a família.

O portal não busca somente a retirada de quem está em situação de rua, e sim a inclusão do usuário no meio social e no mercado de trabalho, de forma que se torne independente para uma vida digna e cidadã.

Atualmente o portal dispõe de 10 vagas rotativas, oferecendo refeições diárias, camas individuais, sala de estar com TV, livros e jogos pedagógicos, itens de higiene pessoal, benefícios de corte de cabelo, confecção de fotografias para documentos, vale-transporte, confecção de óculos e aquisição de medicamentos não ofertados pelo SUS, vestimentas e calçados.

Também são encaminhamentos para a Educação de Jovens e Adultos (EJA), cursos profissionalizantes, às instituições privadas e do terceiro setor, agências de emprego, além de terem acompanhamento familiar por meio de visitas e contatos telefônicos, envio de currículos, orientações sobre entrevistas de emprego e comportamento no ambiente de trabalho.

A Sasc pretende dobrar o número de vagas em novo local de atendimento. O espaço maior e mais apropriado espera instalação de equipamentos, ainda em fase de licitação.

Comitê 

O Comitê Intersetorial da Política Municipal para a População em Situação de Rua Cláudio Lopes (Ciamp Rua) busca elaborar e implantar políticas públicas em Maringá para pessoas em situação de rua. O nome do comitê faz homenagem ao maringaense Cláudio Lopes, morador de rua e cadeirante, que morreu vítima de incêndio em 2017.

Maringá tem aproximadamente 300 moradores de rua. Destes, 93% querem sair das ruas e 7% querem continuar, diz pesquisa feita pelo Observatório das Metrópoles, ligado à Universidade Estadual de Maringá (UEM).

O objetivo do Comitê e de toda rede de atendimento da Sasc e da Saúde é enfrentar a situação de rua e atender as pessoas que necessitam de oportunidade e apoio.

Operação inverno 2018

A Sasc organiza a Operação Inverno, onde terá articulação da rede de serviços para atender os moradores em situação de rua, com agasalhos e cobertores nos dias mais frios do ano.

Para quem ligar? 

O cidadão que encontrar uma pessoa em vulnerabilidade social em situação de rua deve ligar, em qualquer horário do dia e da noite, para o serviço de abordagem social pelo telefone (44) 9 9103-5661.

Saiba mais 

Centro Pop
Rua Fernão Dias, 840 A
(44) 3901-2203

Albergue Santa Luiza de Marillac
Rua Fernão Dias, 840
(44) 3224-1673

Centro de Atenção Psicossocial (CAPS)
CAPS AD
Rua João José Queiroz, S/N. Jardim Santa Felicidade
(44) 3309-4503

CAPS Infanto Juvenil
Rua João José Queiroz - Jardim Santa Felicidade
(44) 3309-4498

CAPS III
Rua João José Queiroz - Jardim Santa Felicidade
(44) 3309-4493

CAPS Canção
Rua Santa Joaquina de Vedruna, 1165 - Zona 05
(44) 3901-1139/ 3901-1031/ 3901-7006

Portal da Inclusão
AV. Humaitá, nº 67, Zona-5
(44) 3221-6400

Secretaria de Assistência Social e Cidadania (Sasc)
(44) 3221-6405

Share on Google Plus

About Agência de Noticia News

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.

0 comentários :

Postar um comentário