Debatedores defendem que iniciativa privada garanta direitos humanos

Gabriel Sampaio (2º E): dentro das relações de trabalho, por exemplo, cabe
 a empregadores o respeito à condição do trabalhador, o respeito às demandas
 dos direitos trabalhistas e à erradicação do trabalho escravo.
Participantes de audiência pública da Comissão de Direitos Humanos e Minorias defenderam, nesta quinta-feira (7), que a iniciativa privada deva ser cobrada pela garantia de direitos humanos e fundamentais da mesma maneira que o Poder Público é cobrado.
O ex-secretário de Assuntos Legislativos do Ministério da Justiça, Gabriel Sampaio, explicou que dentro das relações de trabalho, por exemplo, cabe a empregadores o respeito à condição do trabalhador, o respeito às demandas dos direitos trabalhistas e à erradicação do trabalho escravo.
“A iniciativa privada pode se configurar como violadora de direitos, como em obras de grande porte, nas quais pode-se ter um conjunto de condutas que violem direitos humanos”, disse.
Sampaio defendeu ainda que o Estado tem um papel importante de reconhecimento de direitos. “Além da estrutura da legalidade, o Estado deve ser capaz de promover direitos. Muito mais do que se abster de violar direitos, seja garantidor e efetivador de direitos fundamentais”, destacou.
O ex-secretário defendeu que cabe ao Poder Público construir uma legislação que exija do setor privado o respeito aos direitos humanos. Segundo ele, houve avanços na proteção de direitos que podem ser esvaziados se não acompanhados e fiscalizados pelo Estado.
Plano nacional
A representante da Secretaria de Direitos Humanos do Ministério da Justiça, Luciana Peres, afirmou que o governo defende a criação de um plano nacional que envolva empresas e direitos humanos e que siga os tratados internacionais.
“A soberania é entendida como a responsabilidade do Estado com o seu cidadão, e isso inclui empresas. Antes se falava da responsabilização social das empresas, o foco agora é de promoção, proteção e reparação”, afirmou.
Ela afirmou que o governo tem feito esforços para implementar o plano, mas que o processo ainda é incipiente. Luciana explicou ainda que um grupo de trabalho de direitos humanos das Organizações das Nações Unidas (ONU) veio ao Brasil e visitou obras de grande porte como Belo Monte.
Grupos vulneráveis
Segundo Luciana Peres não se pode pensar um plano nacional que envolva empresas sem discutir, por exemplo, grupos vulneráveis, como instalação de hidrelétricas, por exemplo.
“Belo Monte é monitorada, e temos medidas cautelares e medidas provisórias na Corte [da Organização dos Estados Americanos]. As medidas provisórias têm caráter vinculante, que só são decretas quando há danos irreparáveis, com violações ao direito à vida. [Em Belo Monte], temos situações de trabalho escravo, de exploração sexual, de trabalho infantil, de ofensas aos direitos de migrantes. É uma gama de violações muito grande.”
A deputada Érika Kokay (PT-DF) também criticou as grandes obras, como a da usina de Belo Monte. "As instalações de empresas e, particularmente, as obras de vulto, precisam ter compromisso com os direitos da pessoa humana. Não podemos permitir que, em Jirau e Santo Antonio, tenham mais de 200% dos casos de estupro, e o aumento e recrudescimento dos casos de exploração de crianças e de adolescentes. Mas, quando a gente fala de direitos humanos, a gente fala de políticas de reparação, mas devemos falar da proteção, da promoção."
ConquistaO deputado Ezequiel Teixeira (PTN-RJ), que propôs o debate, destacou a importância na conquista de direitos humanos. “A promulgação da Declaração Universal dos Direitos Humanos, em 1948, é o resultado de uma longa trajetória da sociedade na busca pela conquista de suas liberdades, incluindo raça, cor, etnia, ou qualquer outra condição.”
Ele criticou resolução da ONU que afirmava que levar crianças em igrejas seria uma ofensa a direitos humanos. “Deveria rever essa resolução, pois está impondo limites aos pais. A Igreja continua sendo a instituição de maior credibilidade no mundo”, disse.
Reportagem – Luiz Gustavo Xavier
Edição – Newton Araújo

A reprodução das notícias é autorizada desde que contenha a assinatura 'Agência Câmara Notícias'
Share on Google Plus

About Julio Take

This is a short description in the author block about the author. You edit it by entering text in the "Biographical Info" field in the user admin panel.